segunda-feira, 11 de junho de 2012

Os Templários – Barbara Frale

Editora: Madras
ISBN: 978-85-3700-300-8
Opinião★★★☆☆
Páginas: 183



“O signo mais forte que Hugues de Payns desejava imprimir à sua fraternidade era aquele da pobreza e da penitência. O grupo devia viver com o espírito de serviço voltado à Terra Santa, cumprir a missão militar de defesa dos cristãos, para expiar os seus pecados. Por esse motivo, os cavaleiros não possuíam inicialmente uma sede fixa, vestiam-se com as roupas dadas pela população como esmola e obedeciam ao capítulo dos Cânones do Templo. Foi o rei de Jerusalém que interveio na estrutura original da fraternidade para modificar suas intenções e tal  transformação teria feito sentir imediatamente seus efeitos.”


“Os militares cristãos não eram muito clementes, mas os sarracenos, às vezes, faziam exibições de crueldade exasperada contra o inimigo: no final de junho de 1119, os soldados turcomanos do príncipe sírio Ilghazi haviam arrastado os prisioneiros francos para uma planície de Aleppo e os massacraram, mas não tanto a ponto de matá-los, porque o chefe deles não queria privar a plebe da cidade de toda a diversão. Logo, foram levados da planície e torturados até a morte nas vias públicas da mesma cidade. As reticências do prior da Grand-Chartreuse correspondiam a uma linha de pensamento antiga, mas muito compartilhada. A moral cristã sempre se mostrou contra a realização da guerra, mesmo que nenhuma das passagens do Evangelho a condene. Já nos primeiros passos do Cristianismo, a escolha militar era considerada como um ato de desprezo em relação às leis de Deus, havendo diversos exemplares de santos que, para abraçar a vida cristã, haviam dado solenemente o adeus às armas. Essa questão, porém, havia sido enfrentada nos tempos de Ambrósio e Agostinho, mas o tema da legalidade das armas e da guerra justa era extremamente delicado.”


A finalidade de quem se faz Templário é aquela de expiar os seus próprios pecados, colocando a vida em risco para proteger Jerusalém e a Terra Santa. É uma espécie de cruzado em vida, mas que depois da morte terá sua alma como a de um homem dedicado, a serviço da Igreja e da fé. A morte dos sarracenos significa assassinato aos assassinos; é a eliminação de todos que se fazem instrumentos do mal: não homicídio, mas malicídio, ou a morte do mal. Como São Miguel Arcanjo, chefe das hostes celestes contra o poder das trevas, trespassa o demônio na grande batalha do último dia, o cavaleiro Templário far-se-á servo da fé combatendo e dando a sua vida; e a própria Virgem, pela qual Bernardo tem uma devoção fortíssima, não seria aquela que esmagaria sob o seu pé a cabeça da serpente, encarnação do mal.”


“Ainda que as argumentações dos estudiosos sejam muito válidas, não se deve esquecer da opinião de São Bernardo, preposta ao nascimento da Ordem, e da qual não se têm dúvidas:
É, portanto, coisa digna de admiração e de singularidade ver como estes são os mais moderados dos cordeiros e, ao mesmo tempo, os mais ferozes dos leões, sim que quase duvido se será melhor chamá-los monges do que soldados, amenos que talvez não seja oportuno chamá-los de ambos os modos, enquanto a eles não falta nem a suavidade do monge nem a coragem do guerreiro.”


“A excelência militar dos cavaleiros templários devia ser evidente no momento do combate: o prestigioso emblema bipartido branco e preto, cujo significado os historiadores ainda não estão certos, era a imagem visível do orgulho religioso e militar da Ordem. Não eram admitidas recusas a esse espírito de heroísmo, em nome da imagem moral do Templo que era defendida a todo custo. O único refúgio era a solidariedade dos outros confrades, prontos a se expor pessoalmente para salvar um companheiro:
Ninguém deve se afastar da sua posição sem a
permissão do superior, nem mesmo se estiver ferido. E se
estiver em situação de não conseguir pedir licença, deve
mandar um companheiro que o faça. E se por acaso ocorrer
dos cristãos serem derrotados, que Deus os receba! Nenhum
frade deve afastar-se do campo de batalha até que seja
exposta ao inimigo a insígnia do Templo: e quem desrespeitar
essas normas será caçado e excluído para sempre da Ordem.
Quando um frade vir que não há mais nenhum estandarte do
Templo nas imediações, deverá deslocar-se para o estandarte
dos Hospitalários mais próximo que puder ser encontrado, e se
mesmo estes estiverem próximos da derrota, desde então
estará livre para se colocar a salvo da forma que Deus lhe
sugerir.”


“O especialista em história militar Claude Gaier afirma que a organização templária era muito eficiente, pois representava uma inovação: a normativa havia sido pensada para exaltar a coesão interna, o espírito de corpo, a ação coordenada em uma época em que a tática ainda se baseava fortemente no valor individual. A análise das fontes revela que a Ordem era caracterizada por uma notável compactação, enquanto na cavalaria laica as iniciativas pessoais frequentemente provocavam desordem. O Templo era o único corpo do exército cruzado capaz de manter uma disciplina constante.”


“Os cavaleiros do Templo deviam compartilhar substancialmente aquilo que os antropólogos chamam de “cânone social”, isto é, um sistema de valores que devia ser respeitado caso quisesse ser considerado como parte do grupo. De um modo mais simples, poderíamos falar de uma visão compartilhada de mundo que devia ser obedecida e unanimemente aceita.
O cânone social é imposto a todos os indivíduos que fazem parte de um grupo específico, e isso dá a marca ao comportamento e à sensibilidade individual.
Os cavaleiros formavam, então, um grupo potencialmente coeso na mentalidade mesmo antes de seu ingresso à Ordem: um grupo que andava, assim, acostumado com seu comportamento moderado, disciplinado e oportunamente catequizado mesmo enquanto a educação típica da aristocracia militar tivesse produzido convicções divergentes a respeito da moral cristã.”


“Em 1291, a queda de Acri, último baluarte da presença cristã na Terra Santa, pôs fim ao Ultramar e inferiu um golpe fatal à honra das ordens militares. O Grão-Mestre do Templo, Guillaume de Beaujeu, pertencente à maior nobreza da França e magnífico exemplo de valores cavalheirescos e de virtudes cristãs, morreu na tentativa de salvar a cidade e foi sepultado pelos companheiros na igreja da Ordem pouco antes que os Templários, últimos entre todos, abandonassem a cidade em chamas. Mas nem mesmo a reputação de Beaujeu, caracterizada pelo heroísmo e pelas muitas contribuições que fazia publicamente e também às escondidas, nem o comportamento honroso dos Templários puderam apagar a amarga verdade: o sonho cruzado estava completamente falido.”


“O corpo dos Estatutos Hierárquicos templários, na parte que regulava as normas a serem obedecidas durante a batalha, previa que os Cavaleiros do Templo não podiam abandonar o campo de batalha nem mesmo se ficassem completamente desarmados: a honra da Ordem requeria o sacrifício da vida. De uma fonte islâmica, como visto, aprendemos que, quando os Templários defendiam uma cidade, faziam baluarte com os seus próprios corpos, assim que o inimigo abrisse uma brecha nas muralhas: tão logo um deles caía, outro logo vinha substituí-lo. Uma igual capacidade de abnegação requeria obviamente fortíssima adesão ideológica às motivações éticas que animavam a Ordem, e também um oportuno condicionamento psicológico, para tornar esses guerreiros capazes de tais sacrifícios. Assim, a educação ao conceito de obediência absoluta era evidentemente a chave do problema.”


O Templo ou a Igreja de Roma
Com a investigação de Chinon, Clemente V pretendia, talvez, devolver a Felipe, o Belo, o tiro pela culatra dado no ano anterior quando ele, às vésperas de retornar das férias e de instruir a investigação da Igreja sobre os Templários, havia ouvido de um mensageiro que os seus imputados já tinham sido capturados, interrogados e declarados culpados. Mesmo assim, obteve um sucesso efêmero, como ele mesmo logo pôde verificar.
O antigo plano régio de processar Bonifácio VIII não havia caído no esquecimento nem mesmo após a morte do pontífice, já que o desaparecimento físico de Benedito Caetani não dava fim nas sanções que ele havia decretado a Felipe, o Belo. Entre as sanções decretadas estava a perigosa excomunhão redigida na Super Petri solio, com a finalidade de impedir a oficialização do que havia sido concretizado durante o atentado de Anagni: sabia-se que a bula havia sido emitida pelo papa em suas plenas faculdades mentais, e o texto, ainda que jamais promulgado, era uma perigosa espada de Dâmocles que poderia comprometer a legitimidade da Coroa francesa. Havia, depois, outros documentos contra Felipe, o Belo, e que o papa havia emitido nos momentos mais ásperos de seu conflito, como a bula Ausculta filii além da Unam sanctam, que sancionava a impossibilidade da salvação eterna para quem se encontrasse fora da Igreja de Roma, condição esta que Felipe, o Belo, entrado em profundo conflito com o pontífice, beirava perigosamente.
Clemente V encontrara em sua longa experiência jurídica e diplomática um hábil estratagema para reduzira tensão fazendo riscar dos suntuosos registros de Bonifácio VIII os passos que soavam demasiadamente duros contra o rei, de modo que, eliminada a matéria contrastante, Felipe, o Belo, não teria mais interesse em declarar como ilegítimo todo o pontificado dos Caetani. A tarefa do Templo e especialmente o golpe executado pelo papa com o evento de Chinon induziram os estrategistas régios a se desfazer da espinhosa questão do processo contra Bonifácio VIII para usá-la como moeda de troca.
O soberano solicitou formalmente a abertura de um processo em memória do falecido Benedito Caetani que teve de seguir as pegadas de um terrível precedente ocorrido no período mais negro de toda a história do papado, quando o trono apostólico estava à mercê dos conflitos entre as facções da nobreza romana. No ano de 891, Formoso havia subido ao trono apostólico, clérigo este com uma carreira eclesiástica complexa e muito discutível. Enquanto ocupou o cargo de bispo do Porto, Formoso fez-se conhecer por intermédio de sua brilhante habilidade política e diplomática, no entanto, uma facção rival interrompeu a carreira, boicotando sua candidatura a Patriarca da Bulgária, com o pretexto de que os cânones vetavam a um bispo passar de uma sede episcopal para outra. Envolvido nas tramas de um alto funcionário da corte apostólica, Formoso cometeu o erro de fugir, o que o tornou culpado perante os olhos de todos, sendo excomungado com outros conspiradores verdadeiros. Em seguida, durante o Concilio de Troyes, atirara-se aos pés do papa Giovanni VIII que o absolvera, fazendo com que, em troca, o mesmo jurasse não retornar mais a Roma e que não procurasse mais reassumir seu lugar na antiga sede no Porto. Nos anos seguintes, Marino I foi eleito papa e, já sendo bispo em Caere, fez cair no esquecimento a convocação aos cânones que privou Formoso do Patriarcado da Bulgária. De resto, Marino operou uma espécie de reparos nas relações que os partidos mantinham entre si, e, com essa linha política, Formoso recebeu sua cátedra episcopal do Porto, apesar do juramento prestado anteriormente a Giovanni VIII.
Com a morte de Estêvão V, no ano de 891, o nome de Formoso impôs-se pela sua experiência e também pela indubitável qualidade que os historiadores lhe atribuem. Como papa, talvez o único erro cometido foi o de se comprometer em favor de Arnolfo, rei da Alemanha, que aspirava reconquistar a coroa imperial contra a casa dos duques de Spoletò, que ambicionava o mesmo título. Em 895, Arnolfode de Carinzia chegou a Roma, onde Formoso, durante uma solene cerimônia, coroou o imperador. O soberano logo depois seria morto, seguido por Formoso, que foi sepultado na Basílica de São Pedro, juntamente com seus predecessores. A eleição de Estêvão VI, um expoente da facção hostil a Formoso ao partido alemão, foi a premissa do episódio passado para a história como o "Concílio do Cadáver". O novo pontífice naquela sede teria a possibilidade de declarar ilegítimo o papa Formoso e, por consequência, invalidar a coroação que este havia promulgado. Os despojos do papa, que jaziam na tumba há diversos meses, foram exumados e ele, ainda paramentado como papa, foi colocado sobre um assento e, em uma macabra recitação, o mesmo Formoso "reconhecia" suas culpas por intermédio de um diácono aterrorizado.
Condenado como papa ilegítimo por ter violado as prescrições canônicas que na realidade o papa Marino teria revogado, o seu cadáver foi mutilado na língua e nos três dedos da mão direita, pelos quais haviam partido as ordenanças. Enfim, foi atirado no rio Tevere, sendo recuperado secretamente em suas margens por um corajoso monge. O cenário que Felipe, o Belo, pretendia expor à custa do falecido Benedito Caetani seria o de percorrer exatamente todas as macabras passagens do concilio do cadáver, com exceção do uso do próprio cadáver, que, jazendo em sua tumba há cerca de cinco anos, presumia-se estar já reduzido a somente um punhado de ossos. Assim, interpretando o pavoroso ato noir com o qual os estrategistas de Felipe, o Belo, prepararam todos os processos políticos de seu reino, chantagearam Clemente V com a ameaça de se reexumar os ossos do falso papa Bonifácio VIII em um procedimento declarado como herético, blasfemo, ateu, dedicado à feitiçaria, queimando, enfim, os restos dos inimigos da fé. O resultado da operação contra a autoridade apostólica superava em muito a de seu precedente: Formoso, de fato, havia sido processado por ter violado a proibição canônica de passar de uma sede episcopal para outra, sem prejuízo moral, enquanto neste caso um papa era acusado por um titular do poder laico por atos religiosos de heresia e feitiçaria, como se o rei da França representasse a boa fé ao pontífice corrompido. A fogueira feita com os restos de Bonifácio VIII teria servido somente para mostrar com o seu espetáculo a total inversão no sistema das instituições, a fim de imprimir no imaginário coletivo a ideia de que uma nova época se iniciava e que o poder laico carismático da monarquia francesa guiaria a sociedade cristã, se necessário, como alternativa à autoridade papal, julgada num estado tal de decadência que não podia mais desenvolver seu papel. E enquanto se preparava a fogueira a ser acesa na praça, no Palácio Real os homens do Conselho redigiam um programa para reformar completamente a estrutura da Igreja, reunindo em torno do soberano a fidelidade dos bispos, na hipótese de se criar uma Igreja francesa autônoma e separada de Roma.
Em outubro de 1308, quando Clemente V apenas havia assinalado a sua vitória judiciária em Chinon, o plano régio dava seu primeiro passo: o bispo Guichard de Troyes foi acusado de bruxaria e queimado na fogueira, embora o mesmo pontífice o tivesse absolvido. Com esse gesto, Felipe, o Belo, pretendia demonstrar que a Igreja de Roma estava contaminada completamente pela heresia, uma vez que um papa, um bispo e por que não toda uma ordem religiosa estavam afundados na corrupção. Poucos meses depois, o cardeal Napoleão Orsini escrevia ao rei alegando ter encontrado na Itália a autoridade máxima que provaria a culpa de Bonifácio VIII e que estava pronto para trazê-la à França a fim de que participasse do processo. O papa, já neste momento afastado pela doença que o afligia há anos, renunciou à luta abandonando a Ordem Templária ao seu próprio destino. Enquanto fosse chefe da Igreja de Roma, ele era antes de tudo responsável pela segurança daquela instituição, fazendo a chantagem de Felipe, o Belo, partir-se em duas. Foi, sobretudo, um cálculo de ordem prática guiou o pontífice a uma escolha que lhe parecia óbvia: os membros da Ordem, que não haviam sido mortos na prisão ou sob a tortura dos soldados régios, estavam desmotivados e derrotados, vencidos pela infâmia que se abatera sobre o grupo, e, mesmo que fossem bem-sucedidos em salvar a Ordem, pouquíssimos deles teriam desejado fazer parte dela.
Igreja precisou embarcar então em outro embate similar ao que foi enfrentado por Bonifácio VIII em seu tempo, com a perspectiva de ir ao encontro de uma ruína certa, dada a desproporção de forças, mas visando a obter a sobrevivência jurídica de uma ordem já manchada com a infâmia, e que talvez continuasse existindo somente na vontade de alguns de seus membros mais ferrenhos. Em agosto de 1309, quando a ação do rei já havia dado convincente prova de força, Clemente V escrevia uma carta a todos os bispos da cristandade que, apesar de já há quase um ano estarem encarregados de abrir inquéritos sobre os Templários de suas dioceses, não haviam ainda sido instruídos sobre qualquer procedimento. A carta explicava “a todos aqueles que tinham a esperança de que o pontífice destilasse uma nova regra para os Templários” que aquilo não ocorreria, logo, exortava-os a não prorrogar por mais tempo as audiências. Aquela parte do bispado que não se opunha ao Templo estava convencida de que Clemente V pretendia salvar e reformar a Ordem, um fato bem compreensível se considerarmos que a bula enviada aos bispos para ordenar o desenvolvimento das investigações diocesanas iniciava-se com a frase “Concedendo o perdão” e que nenhum outro documento com uma premissa daquelas poderia conter uma ordem de condenação.
Toda uma série de fontes escritas por pessoas que se encontravam junto à corte pontifícia exprime a mesma convicção, ou seja, a de que o papa estava trabalhando um modo para garantir a sobrevivência do Templo. À luz desses conhecimentos, explicam-se as atitudes de alguns altos prelados como Rinaldo da Concorezzo, arcebispo de Ravenna, que ordenou a absolvição dos Templários de sua diocese por falta de provas, ou como Peter di Magonza, que se preocupou em redigir um inventário detalhado dos bens possuídos pela Ordem em seu território, de modo a poder recuperar todos os bens quando o Templo estivesse reabilitado.
Em agosto de 1309, Clemente V, que se deu conta de estar pressionado e escolhendo aquilo que em sua consciência lhe parecia o mal menor, sacrificou a existência da Ordem Templária para salvar a unidade da Igreja. O fim da Ordem estava então decretado, tratava-se agora de salvar os ex-Templários.”


“Os historiadores têm acreditado que os prelados escolhidos pelo papa tivessem sido completamente coniventes com Felipe, o Belo, mas essa consideração é exagerada e os eventos o demonstrarão. Escutando o veredicto do cárcere em vida, o Grão-Mestre e o seu mais fiel companheiro, o Preceptor da Normandia Geoffroy de Charny, rebelam-se e proclamam a completa inocência do Templo em todas as suas culpas que lhe foram imputadas: nesse ponto, os bispos da comissão foram confundidos e decidiram interromper seus trabalhos, já que um fato dessa magnitude necessitava de certa ponderação, sendo necessário consultar a vontade do papa. Vendo escapar de suas mãos aquela solução do compromisso que provavelmente Clemente V havia proposto e que a parte regia já havia aceitado, o rei começou a temer que a desativação do Templo não fosse mais tão segura aos seus olhos, retornando ao espectro da absolvição ou de outro ato imprevisto que pudesse recolocar em discussão todo o êxito do processo. Foi decidida uma maneira de encerrar de uma vez por todas a questão templária, de modo que esta não pudesse mais ser rediscutida: o rei manda raptar Jacques de Molay e Geoffroy de Charny, subtraindo-lhes da legítima custódia dos comissários, mandando-os à morte pelo fogo em uma pequena ilha do Senna, pouco após o anoitecer.
As fontes que nos falam desses fatos concordam com o grande heroísmo dos dois dignitários, que enfrentaram uma morte que teriam escolhido voluntariamente como ato supremo de testemunho pela própria Ordem. Jacques de Molay pediu aos carrascos que afrouxassem a corda que lhe cerravam os pulsos para que pudesse dirigir seus olhares à Catedral de Notre-Dame, que por mais de uma vez já havia visto testemunhar a sua inocência e rezou à Virgem Maria a quem São Bernardo havia dedicado a Ordem. Os Templários diziam que em nome da Virgem tudo havia tido início e que, em nome dela, tudo terminaria. Assim, com essa prece, o Grão-Mestre pretendia encerrar gloriosamente o fim do Templo, proclamando sua perfeita fé cristã.
A multidão presente agitou-se e para acender a fogueira foi necessário esperar que parte da mesma fosse dispersada. Segundo o testemunho do poeta Geoffroy de Paris, que provavelmente assistiu em pessoa à execução, Jacques de Molay teria chamado diante do Tribunal de Deus tanto o rei da França (que o havia traído) quanto o papa (que o havia abandonado). Clemente V morreu no dia 20 de abril seguinte, pouco mais de um mês depois da fogueira: parece que no momento de sua morte ele não teria perdoado o mísero fim dos Templários, aos quais sempre tratou de se opor. O fato de ambos morrerem logo um ano depois de terem sido chamados pelo Mestre para responderem as suas culpas diante do juízo de Deus favoreceu o surgimento de lendas que proliferaram naqueles tempos, alimentadas pelo mistério da extraordinária coragem que os dois fanáticos dignitários haviam mostrado diante de seus executores.
Setecentos anos depois daquele evento, o mito dos Templários, dado como história verdadeira ainda que recheado de invenções, está inacreditavelmente vivo. A pesquisa deu-nos novas certezas ao abrir portas para se descobrir o quanto ainda deve ser esclarecido. Clemente V jamais lançou sentenças de condenação contra os Templários; em vez disso, procurou reverter a excomunhão que havia sido lançada contra eles. Aquela absolvição jamais foi revogada, e a sentença de suspensão das atividades da Ordem, sancionada no Concilio de Viena, permanece ainda hoje inalterada, mesmo após sete séculos, sob a forma de uma decisão não definitiva.
Grão-Mestre e o Preceptor da Normandia, sequestrados e assassinados pelo soberano antes que a comissão destinada a julgá-los pudesse emitir um veredicto, morreram no mesmo estado em que a autoridade pontifícia os havia colocado, isto é, cristãos absolvidos e reintegrados à comunhão católica, assim como os plenipotenciários apostólicos haviam decidido por ordem de Clemente V em Chinon.

Nenhum comentário: