domingo, 29 de novembro de 2015

Mundo Sem Fim – Ken Follett

Editora: Rocco
ISBN: 978-85-3252-302-0
Tradução: Pinheiro de Lemos
Opinião★★★☆☆
Páginas: 944

“– Você não muda, não é? 
Ralph deu de ombros. 
– Alguém muda?”


“– Meu pai costumava dizer: nunca convoque uma reunião até que o resultado seja certo.”


“– No amor, sempre há uma esperança.”


“– Thomas é um homem com um segredo. E um segredo é sempre uma fraqueza.”


“– Quando você faz um pacto com o demônio, acaba pagando mais do que pensa.”


“– Ouvi dizer que o conde Roland já recuperou a razão – disse ele. – Louvado seja Deus. Você o curou.
– Deus o curou.
– Ainda assim, ele deve ser grato a você. 
Madre Cecilia sorriu.
– Você é jovem, irmão Godwyn. Aprenderá que os homens de poder nunca demonstram gratidão. Qualquer coisa que lhes dermos, eles aceitam como se fosse seu direito.”


“– Meu pai é um homem difícil de agradar.
– Isso é tão verdadeiro quanto a Bíblia.
– Não se queixe – declarou William. – A dureza de nosso pai nos tornou fortes.
– E também, pelo que me recordo, infelizes.”


“– Não se preocupe. Nós que nascemos pobres temos de usar a astúcia para conseguir o que queremos. Os escrúpulos são para os privilegiados.”


“– Nunca confio em ninguém que proclama sua moralidade do púlpito. O homem que apregoa seus elevados princípios sempre pode encontrar um pretexto para violar suas próprias regras. Prefiro fazer negócios com um pecador comum, que provavelmente acha que é uma vantagem sua, a longo prazo, dizer a verdade e cumprir suas promessas. Não é provável que ele mude de ideia a respeito.


“– Meu pai detestava as pessoas que pregavam sobre moralidade. Somos todos bons quando nos convém, ele dizia: isso não conta. É quando você quer demais fazer alguma coisa errada... quando está prestes a ganhar uma fortuna de um negócio desonesto, ou beijar os lábios adoráveis da mulher de seu vizinho, ou dizer uma mentira para se livrar de uma terrível encrenca... é nesse momento que você precisa das regras. Sua integridade é como uma espada, ele dizia, você não deve brandi-la até se submeter ao teste.


“– Todo mundo usa o que gosta dos ensinamentos da Igreja, e ignora as partes que não são convenientes.”


“– Alguém que carece da capacidade de sentir a dor de outra pessoa não é um homem, muito embora possa andar sobre duas pernas e falar.”




“Depois de uma batalha, os soldados no lado vencedor sempre agradeciam a Deus, mas mesmo assim eles conheciam a diferença entre bons e maus generais.”

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Axiomas: coletânea de pensamentos alheios – Stephanos Demetriou (org.)

Opinião★★★☆☆
Páginas: 121


“O homem vem à terra para uma permanência muito curta, para um fim que ele mesmo ignora, embora, às vezes, julgue sabê-lo.” (Albert Einstein)


“Meu Deus protegei-me de meus amigos! Dos meus inimigos eu me encarregarei.” (Voltaire)


“Não te esqueças que na noite escura, até a tua sombra te abandona.” (Humberto de Campos)


“Cuidado com a fúria de um homem paciente.” (John Dryden)


“Quando alguém me entende, fico besta.” (Hilda Hilst)


“Aquele que não pode recordar-se do passado, está condenado a repeti-lo.” (George Santayana)


“Deus deu-nos nossos parentes, mas teve a bondade de nos deixar escolher nossos amigos.” (Ethel Munford)


“Aquele que procura vingança deve cavar dois túmulos.” (Provérbio Chinês)


“A demasiada atenção que se dedica a observar os defeitos alheios faz com que se morra sem ter tido tempo para conhecer os próprios.” (La Bruyère)


“Quando vires um órfão no auge da tristeza, procura beijá-lo diante de teus filhos.” (Provérbio Árabe)


“O que é a história? É a soma de relatos quase todos falsos, de eventos quase todos menores, provocados por políticos quase todos velhacos e executados por soldados todos patetas.” (Ambrose Bierce)


“Perdoar a quem não se arrepende, é como desenhar figuras na água.” (Provérbio Japonês)


“Espera do teu filho o mesmo que fizeste a teu pai.” (Tales de Mileto)


“Milhões de pessoas que anseiam pela imortalidade não sabem sequer o que fazer numa tarde chuvosa de domingo.” (Susan Ertz)


“Diga a verdade e saia correndo.” (Provérbio Iugoslavo)


“O homem esquece mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio.” (Nicolau Machiavel)


“Para que serve o poder se não se pode abusar dele?” (Provérbio Italiano)


“Quando um filósofo completa uma resposta, ninguém mais se lembra de qual foi a pergunta.” (André Gide)


“Choramos ao nascer porque chegamos a este imenso cenário de dementes.” (William Shakespeare)


“Os mais velhos gostam de dar bons conselhos para se consolarem de já não estarem em condições de dar maus exemplos.” (Rochefoucauld)


“Se houvesse um homem imortal seria assassinado pelos invejosos.” (Chumy Chumez)


“O mal da igualdade é que a queremos apenas com nossos superiores.” (Henry Becque)


“A verdade nos leva a todos os lugares, até mesmo à prisão.” (Provérbio Polonês)


“Escrever bem é glória e mérito de alguns homens; de outros seria glória e mérito não escrever nada.” (La Bruyère)


“Quem responde com pressa raramente acerta.” (Provérbio Árabe)


“A árvore quando está sendo cortada, observa com tristeza que o cabo do machado é de madeira.” (Provérbio Árabe)


“Espero nunca me tornar velho a ponto de ficar religioso.” (Ingmar Bergman)


“O medo atribui a pequenas coisas grandes sombras.” (Provérbio Sueco)


“Quando reconhecemos que nossos pais estavam corretos, geralmente já temos filhos que acham que estamos errados.” (Martinho Lutero)


“Política é a arte de impedir as pessoas de participarem de assuntos que são de seu interesse.” (Paul Valéry)


“Toda a água do oceano não torna brancas as penas pretas de um cisne.” (William Shakespeare)


“Se você nunca foi odiado pelo seu filho, você nunca foi um pai.” (Belle Fridman)


“A alma da discussão é a vaidade.” (Lothar Schmidt)


“Por mais hábil que seja, o político acaba sempre cometendo alguma sinceridade.” (Millôr Fernandes)



“Como é bom não fazer nada e em seguida discursar.” (Provérbio Espanhol)